Arquivo para maio \14\UTC 2012

Todos os dias acontecem coisas…

Adam Yauch por Caroline Bittencourt*

Adam Yauch por Caroline Bittencourt*

…sempre aconteceram coisas. A diferença é que hoje a intensidade e rapidez das informações fazem com que a tua percepção das coisas que acontecem o tempo todo, sejam maiores. Pela intensidade, as vezes você não se dá conta de que, determinadas coisas que acontecem, acabam causando efeitos devastadores. Outras vezes potencializamos isso e pequenas coisas se tornam grandes monstros. As vezes não é nada mesmo e passam despercebidas…

A verdade é que eu estava no meu ambiente de trabalho, como faço todos os dias, acessando informações de um mundo globalizado. Aqui eu me isolo do mundo, faço o que eu gosto e meu dia a dia é tranqüilo, mas a conexão te possibilita sentimentos maiores em relação as coisas que acontecem no mundo. E nesse dia, numa sexta feira que começou com a comemoração dos 35 anos do Star Wars, terminou com a notícia da morte de Adam Yauch. Fiquei pensativo…

Abre parênteses: Você que esta lendo pode até estar se perguntando, mas quem é Adam Yauch??? Talvez você não conheça pelo nome e o Jornal Nacional não vai noticiar a sua morte, mas com certeza, já deve ter ouvido falar, ou ouvido alguma música, ou visto um clip dos Beasties Boys. Ao meu entender a melhor banda de RAP e Hip Hop de todos os tempos. Eles entenderam tudo e processaram influências mil e transformaram o RAP e o Hip Hop em algo sensacional. Em 3 discos (os três primeiros) eles mostraram como se faz uma revolução musical. O que eles criaram e a maneira como fizeram, serviu de influencia pra um monte de artista que hoje tenta repetir, copiar, se inspirar… ao meu entender, sem um pingo de originalidade e criatividade. O legal disso tudo é que olhando pra traz percebe-se que os garotos que zoavam a tudo e a todos e se apresentaram para o mundo através do disco “Lissensed to Ill”, continuaram garotos ate o final, se divertindo e mostrando ao mundo um humor em tudo o que faziam e um eterno escracho com a maneira de lidar com isso tudo que é a vida. Rindo de tudo, de todos e deles mesmos. Fecha parênteses.

…nesse dia… eu me lembrei que a vida tem fim… Não é legal ficar pensando nisso o tempo todo. Mas quando acontecem essas coisas, somos obrigados a pensar, então pensamos e tentamos entender isso tudo, mas cada vez mais sigo convicto que entender o mundo é perceber que a nossa função aqui é ser feliz fazendo coisas que a gente acredita e gosta de fazer. Essa dedicação tem que ser diária… Os Beastie Boys acabaram (!?) junto com a morte de um dos seus fundadores. Adam Yauch perdeu a batalha contra co câncer. Viveu 48 anos. Parece pouco se pensarmos que o ser humano pode chegar aos 70, anos fazendo show como Roger Waters, Paul McCartney, mas olhando o retrospecto da carreira fica claro perceber a importância desse cara para música mundial.

Pra mim que sou fã de Beastie Boys desde a década de 80, fica uma lacuna, um vazio muito grande. Para musica então nem se fala, é algo difícil dimensionar e tentar colocar num texto algo que foi criado musicalmente. O fato é que, com a morte de Adam Yauch perdemos o ser humano, que levantou bandeiras em defesa do budismo, organizou festivais, mobilizou as pessoas para ajudar e refletir a respeito disso tudo. Perdemos MCA o personagem que o tornou conhecido que revolucionou a música mundial junto com Michael Diamond e Ad Rock. Lógico que não podemos esquecer do irreverente Nathaniel Hornblower, diretor de videoclipes e filmes que proporcionou ao mundo perolas videoclipcas sensacionais e divertidas. Sim ele era o responsável pelos clips divertidos dos Beastie Boys.

Acompanhei desde o inicio. Era moleque na década de 80 quando ouvi falar de rap e hip hop, depois ouvi na radio “No Sleep til Broklyn”. Fiquei pensando o que é isso? É totalmente diferente de tudo o que eu ouvi. Consegui o disco uns dois anos depois do lançamento (os tempos eram outros e o ritmo das coisas também). “Lissense to Ill” mostrou ao mundo os meninos desbocados do Broklin com letras repletas de palavrões e extremamente provocativas. Além disso tinha uma ousadia musical ao misturar rap com rock. Era diferente, era agressivo, era engraçado. Veio o “Pau’ls Boutique” e tive duvidas em relação ao que eu estava ouvindo. Mas sabia que ali tinha algo diferente. Achei sensacional o lance do vinil não ter faixas. Tudo parecia uma coisa só. Outra revolução, a quantidade absurda de samplers e a forma como eles amarravam (e se apropriavam) tudo aquilo de maneira sensacional. Com toda essa política dos direitos autorais etc etc… seria impossível gravar esse álbum hoje em dia. Eles mostraram que podiam remixar tudo, mudar o sentido, recortar, pegar pedaços aqui e ali e tornar tudo isso autentico.

Quando começávamos a entender, eles vieram com o disco “Check Your Head”. Outra cacetada. Ali eles resgatavam a origem punk da banda e com instrumentos em punho proporcionaram outra pequena revolução. Como um trio eles mostravam que sabiam tocar, criar riffs e canções sensacionais. Acrescentaram possibilidades, abriram horizontes musicais explorando muito mais do que o RAP e o Hip Hop, trouxeram pérolas instrumentais funkeadas, resgataram o hardcore e apresentaram ao mundo um horizonte de possibilidades musicais. Ali eles estavam maduros e mostram pro mundo, que no inicio afirmava que eles eram uma boyband que abria os shows da Maddona, que eles tinham muito mais a dizer. Cito os três primeiros discos, porque ao meu entender depois disso, eles iam e vinham dentro do “cercado” que eles criaram e as inovações vieram de outras formas que não musicais.

Estava trabalhando quando recebi a noticia. E percebi que muitas outras noticias (boas ou ruins) eu recebi enquanto trabalhava. Pensei: Puta que o pariu!!! Estamos sempre trabalhando quando as coisas acontecem. Passamos a maior parte das nossas vidas trabalhando. Que bom, no meu caso, que me proporcionei trabalhar com o que eu gosto, porque assim eu tenho certeza que estou vivendo a minha vida me dedicando a fazer o que realmente me dá prazer. Adam Yauch fez isso, veio para esse mundo e fez o que quis e além de tudo nos proporcionou coisas sensacionais. Descanse em paz Adam Yauch. Vou ficar dias ouvindo todos os discos dos Beastie Boys, revendo os clips…

*Foto tirada pela Caroline Bittencourt no show dos Beastie Boys em Curitiba e que eu tive a oportunidade de ver.

Mais fotos desse show aqui:

http://www.flickr.com/photos/carolinebittencourt/sets/72157594357570830/