Arquivo para abril \15\UTC 2010

Unocultural apresenta: wander wildner!

http://unocultural.tumblr.com/

http://unocultural.tumblr.com/

fiz uma (quase) resenha no site oficial. confira no link acima!

Anúncios

UNOCULTURAL – Porque a cultura transforma!

 

Uma notícia legal para aqueles que simpatizam com a cultura de uma forma diferenciada. E acredita nela como principal elemento de transformação da sociedade. Domingo próximo começa o projeto Unocultural. Um projeto da Unochapecó que visa promover a cultura de uma forma muito legal. Serão alguns meses de atividades artísticas envolvendo alguns setores culturais. A iniciativa é muito bacana e a justificativa é simples. Precisamos entender que cultura não é só o que é vendido pelas grandes mídias. E a cultura pode se disseminar de formas alternativas. Priorizando essas manifestações que não tem espaço na grande mídia. O Tom Zé já diz, e eu não canso de repetir. Quando se aumenta a informação diminui-se o público. E vice versa. É por isso que temos tantas opções vazias e os artistas que se propõe a fazer algo estão ficando de lado. Já temos muitas opções mostrando um lado da moeda. O objetivo do projeto é mostrar o outro lado. O lado B. Aquele artista que tem um trabalho consistente, mas que não tem espaço na mídia de uma forma geral. Vamos gerar alternativas para discutir cultura e promover eventos legais. “Do it yourself” é um slogan que nunca foi tão pertinente e nunca fez tanto sentido quanto o tempo atual que estamos vivendo. E não é ao acaso que o inicio do projeto está calcada na figura emblemática de Wander Wildner.  Um dos precursores do movimentos punk no Brasil e que leva muito a sério essa questão do faça você mesmo e vem aos poucos galgando possibilidades nesse cenários devastador de cultura midiática intensa que vivemos.

O show é no Sindicato dos Bancários no próximo domingo as 19:30 h. E o que é mais legal, é gratuito. Passe duas horas antes no local do show para retirar seu ingresso. Só cabe 200 pessoas.

Maiores informações:

http://unocultural.tumblr.com/

http://twitter.com/unocultural

Wander wildner:

www.wanderwildner.com.br
www.myspace.com/wanderwildner
www.youtube.com/wanderwildner

 

JOIO E TRIGO no SESC.

Neste Domingo, 11/04, show com a banda:

JOIO E TRIGO

Lançamento do CD “Quando olho para mim Ninguém Me ajuda”

Local: Teatro do SESC Chapecó

Data: 11/04

Hora: 20h

 No próximo domingo 11/04, as 20hs, a banda Joio E Trigo estará se apresentando no teatro do Sesc Chapecó, divulgando as músicas do primeiro CD “Quando olho para mim Ninguém Me ajuda” gravado em 2010 no estúdio LKR.

 O trio Joio E Trigo existe desde 2007, com a idéia de utilizar vários recursos possíveis dos instrumentos de tecla, tendo suas primeiras apresentações em janeiro de 2008. Uma das características da música do trio é a total despreocupação com um rótulo para o estilo do som feito, resultando em um processo criativo bastante diversificado. As linguagens musicais são utilizadas como forma de instigar o ouvinte, utilizando-se da mescla de materiais tradicionais com a experimentação de técnicas mais atuais.

A banda é formada por:

– Jakson Kreuz – Teclados e Vocais

– Marcos Deparis – Teclados e Vocais

– André Onghero – Bateria

 Confira uma música da banda:

http://www.mgs.org.br/site/members/393/

 Comunidade no orkut:

http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=83266037

 Perfil no orkut:

http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=8815343179334334219

My Space:

http://www.myspace.com/joioetrigo

Astronauta Pinguim e Epopéia. – os menores artistas da música pobre brasileira.

Segunda parceria do Epopéia e do Astronauta Pingüim em Chapecó. Até porque dessa vez eles conseguiram encaixar um show em Concórdia fazendo aquilo que estamos há um tempo tentando fazer na região. Trazer algum artista para tocar em mais de um lugar porque facilita e criam alternativas. O show de Concórdia foi legal e segundo o Pingüim, lá as garotas subiram ao palco para dançar Cindy Lauper com ele. Aqui em Chapecó o público foi mais modesto e de certa forma pouco empolgado. A verdade é que o fim de semana estava repleto de eventos acontecendo e eventos que acabavam concorrendo o mesmo público entre si. Nunca tem nada e quando tem acontece tudo no mesmo dia. Tudo bem a frase é velha e não é de propósito. Acontece das pessoas marcarem coisas nos mesmos dias seguindo a mesma linha de raciocínio. No caso o feriadão de páscoa. O hangar (que era hangar e passou a ser vinil, e dubai e não sei mais o que e acabou voltando a ser hangar) é um dos lugares mais bacanas em termos de espaço/palco etc. É um lugar legal e totalmente voltado a proposta de show ou eventos musicais. A questão é que o público não gosta muito de ir ali. Não me pergunte o porque. Já vi shows muito legais ali naquele espaço que esta de pé graças a insistência do dono. Porque se fosse ver pelo aspecto da lucratividade era mais fácil derrubar e construir um prédio. Elemento esse que esta acontecendo na maioria dos terrenos baldios do centro da cidade.

A noite começou com o show do Astronauta. E para entender o que ele faz tem que sacar quem é o Pingüim. O próprio nome que soa estranho numa primeira audição e numa segunda e num terceira também, é uma brincadeira e o show é divertido. Pingüim é um cara sério mas extremamente irônico. E esses momentos refletem brincadeiras que ele proporciona ao público e provocações. Quando diz que vai tocar Sigue Sigue Sputnik, ou seja SSS que é o nome do seu último disco Super Sexxy Sounds ou seja SSS. Ou então quando diz que o Lulu Santos é melhor que os Mutantes. Daí vem a brincadeira do título da matéria. Fui convidado a subir ao palco para cantar “Lugar do caralho” juntamente com Lisa do Epopéia que tocou baixo e dançou. Já tínhamos feito essa brincadeira na última vez que ele tocou aqui. E minutos antes ele disse ao microfone. Lulu Santos é o maior compositor de música pop brasileira. Eu, ao subir ao palco reforcei dizendo: o Lulu é o maior artista da musica pobre brasileira. E como gosto sempre de dizer muito mais do que pobres financeiramente somos pobres de espírito. E se olharmos por essa perspectiva o maior artista da paupérrima musica brasileira. Sim, o Lulu Santos é o melhor (ele o Cazuza e toda o resto). Mas melhor em qual sentido ou olhando por qual perspectiva? Perto do que se vê por aí hoje em dia ele é o rei da música pop(bre). E se ele é o melhor porque é popular, está na boca do povo e junta multidões para cantar as musicas dele. Já vi um show, ele só fica fazendo aeróbica no palco, quem canta tudo é o público. Pensando dessa forma estamos no outro extremo disso tudo se ele é o maior nos somos os menores artista da música pobre brasileira.

Já que no show tinha cerca de 50 pessoas (talvez nem isso). não que público é sinônimo de festa bacana e show legal, mas ajuda. Dito isso fico mais a vontade para dizer que foi uma noite divertida. No show o Pingüim veio mais equipado, além do Moog e Sintetizador e Vocoder (o Pingüim cadê o Vocoder???) dessa vez ele veio com um laptop equilibrando as tecnologias vintage, com bases pré-gravadas em modernos laptops de última geração. Um baterista, o mesmo da outra vez, o Ramiro (dos Incríveis Animais que Tocam). O cara além de baterista é o (ir)responsável por fazer os clipes do Pingüim (ô Ramiro cadê os clipes???) Até onde eu sei está tudo gravado, só falta editar. Se ele é assim rápido para fazer os 32 clips que ele esta fazendo imagina tocando. Mas o seu verdadeiro talento está ali na bateria. É ali naquele espaço minúsculo que é ocupado de forma corpulenta, é que ele consegue proporcionar ao público uma empolgação única. Ele é extremamente econômico no que faz e nem faz questão de se esforçar muito. Toca escorado na parede. E isso gera um charme no palco porque o Pingüim tem que falar com o público, apertar os botões do laptop, acordar o Ramiro e tocar e cantar. Se atuasse ia ser chamado para o big brother ou malhação. É um astronauta mesmo. Literalmente até porque com o seu som moderno espacial brega (no show ele toca Kraftwerk com Madona Cindy Lauper e composições próprias). Com os acréscimos visuais estéticos rodeado de plumas e paetês eu poderia afirmar e ousaria dizer que ele é a materialização da Lady Gaga do terceiro mundo.

O show do Epopéia só confirma as minhas teorias do processo evolutivo que a banda vem tendo nos últimos anos. Um som mais maduro e consistente. Que mesmo executando alguns covers eles conseguem fazer com que as músicas soem bem no contexto proposto e incorporaram essas possibilidades ao repertório da banda sem oscilações. O som é psicodélico, mas consistente. Ou seja bem tocado e com as coisas todas acontecendo dentro dos conformes. Falei anteriormente sobre um show que eu vi deles no Sesc. Lógico que o show de ontem não teve todo aquele “mis en cène”, mas eles mantém a proposta de projeções de filmes misturando um pouco tudo isso que chamamos de arte no contexto do show. Dessa vez foram filmes do Meliés uma espécie de criador do cinema de ficção mundial com suas propostas sensacionais de cinema. É bacana ver cinema num local que teoricamente não seria propício para isso. Essa apropriação da imagem com o acréscimo de luz e um som psicodélico, produzem novas possibilidades e sensações. Tudo muito bacana e harmoniosamente perfeito. Poderia ter mais público. Mas isso no fim das contas é um detalhe.

Compre o cd do Pingüim no Submarino.

http://www.submarino.com.br/produto/2/21471660/cd+super+sexxxy+sounds?franq=146337

conheça mais do Epopéia:

http://www.epopeiarock.blogspot.com

Variantes e Identidade em Chapecó.

 

Aconteceu na última quinta feira em Chapecó mais um encontro das duas bandas que hoje desenvolvem uma amizade e parceria que vão além dos palcos. Os integrantes da Identidade tem em Porto Alegre um espaço chamado Marquise 51, uma empresa que se propõe a organizar o rock de uma forma civilizada. Tem espaço para ensaio, é um estúdio de gravação, trabalha com workshop, é uma gravadora, e produz artistas gerenciando carreiras. É uma proposta inovadora eu diria e remete a idéia de Factory proposta pelo Andy Warhol na década de 70. A diferença é que a Marquise é voltada a um seguimento cultural que é a música, e que de certa forma se ramifica em possibilidades, mas o foco é música.

Pois bem o segundo disco dos Variantes esta sendo produzido/gravado na Marquise 51. O show foi de certa forma um reencontro no palco dessa parceria que as duas bandas estão tendo no estúdio nos últimos meses. É clara a interatividade/admiração mútua entre as duas bandas. No final da noite uma jam session onde integrantes das duas bandas proporcionaram ao público algumas músicas que fazem parte das suas referencias musicais (Roling Stones e Mutantes). E que não foram executadas na noite em função da noite estar voltada aos trabalhos autorais.

As vezes para sobreviver a esse esquema de rock num momento em que outros estilos musicais tomam conta de forma avassaladora nivelando a nossa cultura nos mais baixos patamares, precisamos revidar e mostras alternativas para esse rock que se diz alternativo. As duas bandas tem uma carreira construída com bases sólidas no lado autoral, mas eventualmente precisam fazer shows incluindo covers ou reinterpretações de grandes clássicos do rock. Não acho isso ruim e muitas bandas se utilizam disso para sobreviver em cenários não propícios para isso. Um exemplo disso pode ser muitas bandas que fazem ou fizeram isso, mas cito a Graforréia que fazia em Porto Alegre as festas baile como eles chamavam. Tinham os shows normais que já eram longos e com um grande repertório autoral.  E isso girava em torno de uma hora e meia a duas horas de shows. E eventualmente eles faziam as festas baile que durava até seis horas com muito Bealtes, Roberto Carlos entre outros.

Sempre digo que com o passar dos anos vem “deminuindo” o meu tesão de presenciar eventos sociais musicais. Em troca disso estou optando por locais menos barulhentos, e eventos sociais mais íntimos como por exemplo ler um livro. E quando saio não tenho muita paciência para ver banda fazendo cover. Nesse exato momento isso diz respeito aos shows do Variantes, prefiro ver eles tocando as musicas deles. O show de quinta foi isso. Um desfile no repertório do primeiro disco e muitas composições do disco novo que sairá ainda este ano. O show começou tarde. Outro problema da noite. Era quase duas horas e não tinha um público muito bom (enquanto isso uma fila quilométrica para quintaneja que acontecia num outro bar da cidade). É o reflexo dos tempos, do derretimento glacial, da destruição da natureza, do fim do big brother, sei lá a explicação para isso, mas o problema é que o show dos Variantes começou mais de vagar. Tudo bem aos poucos foi esquentando e proporcionando ao público momentos de puro rock and roll. É legal ver o entrosamento dos guris e como as músicas novas, que são diferentes do primeiro disco, se encaixam no repertorio antigo. E a verdade disso tudo é que eles tem um jeito de fazer, de tocar que acaba gerando essa personalidade musical. E nesse sentido mesmo as músicas sendo diferentes, elas são Variantes.

Um outro fator interessante que me motiva a ver shows é a recente proibição de fumar em locais fechados. Deixa o ambiente noturno muito mais saudável. Era engraçado ver as pessoas nos intervalos correr para fumar do lado de fora.

A segunda banda da noite foi o Identidade. Já vi diversos shows deles e todos muito enérgicos e explosivos. Dessa vez foi assim também. Fui questionado sobre o Identidade no fim do show por alguns guris que pelo visto não gostaram do show. Acho pertinente o comentário e ta no direito de não gostar. Foi lá pagou ingresso viu e não gostou. Mas acho que nesse momento cabe um comentário. Que não é nem a favor nem contra, é uma constatação. Talvez a principal, ou maior contribuição do Identidade ao rock seja dentro desse aspecto de mobilização que eles proporcionam para si e para as pessoas ao redor e não enquanto inovação musical (fator esse que eu acho que nem existe em larga escala no cenário mundial e além do mais o que é ser inovador musicalmente? Fica aí o questionamento). A verdade é que eles fazem muito bem o que se propõe a fazer que é um rock cru e básico ou como alguns gostam de dizer o verdadeiro rock and roll. Eles são naturais de Lagoa Vermelha e foram até Porto para conquistar seu espaço e acredito que estão fazendo muito mais do que isso. A banda já atravessou vários percalços com a saída e entrada de integrantes. E isso para quem tem banda sabe a dificuldade que é continuar depois que um integrante resolve sair para vender pipoca porque a pipoca dá mais dinheiro do que o rock. E nesse sentido eles se mantém vivos e evoluindo dentro desse cenário musical que precisa de uma renovação já que o mainstream se resume a banda emo (sem soar pejorativo) e o underground a bandas que imitam o rock inglês (também sem soar pejorativo). Isso não é uma justificativa. É uma constatação. Os mesmos guris questionaram o fato do vocalista imitar o Jagger. E várias pessoas já questionaram isso também. E aí a resposta é simples. Tá mas vai imitar quem? Ainda bem que é o Jagger, imagina o Vandú imitando a Cláudia leite. O Júpiter imitava o Jagger com os Cascavelletes e hoje todo mundo acha ele foda pra caralho. E quando eu digo imitar talvez seja no sentido das referencias. E referencias sempre são muito relacionáveis a forma com que se utiliza. E todo mundo tem referencia a algo a diferença é que alguns conseguem esconder mais que os outros. Eu particularmente acho legal os shows deles e me divirto. Quando saio de casa pra ver algo sempre procuro saber o que é que eu vou ver. Isso faz com que eu não crie muito expectativa. Fui ver um show de rock com duas bandas que tocam rock.

O show do Identidade contou com dois integrantes novos que eu não sei quem são. Mas que não vem ao caso. O show foi calcado nas composições do disco novo, recém lançado, chamado de “Antiguidades X Modernidades”, mas sem esquecer as músicas que já são conhecidas do público. Com Lucy Jones, Jogo Sujo, Dance entre outros

Conheça mais o identidade nos links abaixo.

Novo disco inteiro pra baixar no Trama Virtual:

http://tramavirtual.uol.com.br/fas.jsp?id=755213

O novo clipe acabou de estrear na programação da MTV, pra quem ainda não viu:

http://www.youtube.com/watch?v=ZamKqPl8hmw

My Space:

http://www.myspace.com/identidaderock

Youtube:

http://www.youtube.com/identidadeoficial
Twitter:
http://www.twitter.com/identidaderock
Orkut:
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=108196

 

Blog:
http://www.identidadeoficial.blogger.com.br

 

CONHEÇA OS VARIANTES:

www.variantes.com.br